Apelo conjunto do Cardeal Tauran e do príncipe Bin Talal da Jordânia para uma maior solidariedade no mundo

0 43

O papel fundamental da família e da escola na formação das crianças, a importância da educação religiosa; a necessária consideração da dignidade da pessoa humana; o respeito pela liberdade religiosa; a convicção de que não é a religião, mas sim a desumanidade e a ignorância que causam os conflitos – eis alguns dos pontos do documento comum para uma maior solidariedade no mundo, assinado nesta quarta-feira na Jordânia pelo Cardeal Jean-Louis Tauran, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, e pelo príncipe El Hassan Bin Talal (foto), fundador do Instituto Real de Estudos interconfessionais, a pouco mais de uma semana da chegada a Amã do Papa Francisco, a 24 de Maio.

Os participantes no encontro sobre o tema da educação exprimiram dura condenação de todas as formas de violência e exigiram a libertação imediata das estudantes sequestradas na Nigéria.

Foi publicado finalmente um decálogo cultural, como confirmou o Cardeal Tauran ao microfone de Antonino Galofaro:

R. – Ces trois jours sont passés dans une atmosphère d’exceptionnelle ouverture …
Estes três dias passaram num clima de excepcional abertura e amizade, e isto confirma que o diálogo inter-religioso inicia sempre com a amizade, para se conhecer, para se amar um ao outro. O tema geral foi, como se sabe, “como enfrentar os desafios de hoje através da educação”. Insisti no papel indispensável da família, da escola e da universidade. O importante é que este encontro terminou com a publicação de um “decálogo da cultura”, que convida a nunca renunciar a curiosidade intelectual, a ser humildes e não intelectualmente arrogantes, conservar a própria autonomia intelectual, diante da superficialidade do mundo de hoje, perseverar no cuidado à vida interior e considerar o pluralismo uma riqueza e não uma ameaça.

Eis o ” Decálogo ” completo para todos os envolvidos na educação:

1 ) Nunca renunciar à curiosidade intelectual; 
2) Ter coragem intelectual, não cobardia intelectual; 
3) Ser humildes e não intelectualmente arrogantes; 
4) Praticar a empatia intelectual, em vez de uma mentalidade fechada; 
5 ) Respeitar a integridade intelectual; 
6 ) Manter a vossa autonomia intelectual; 
7) Perseverar diante da superficialidade que nos rodeia; 
8) Ter confiança na razão; 
9 ) Ser leiais e não intelectualmente desonestos; 
10) Considerar o pluralismo como riqueza, não como uma ameaça. 

Fonte: Rádio Vaticana

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *