cruz luz

Cruz, escola de castidade!

0 2190

Bismarck, famoso ditador alemão, dizia que uma mentira dita um milhão de vezes, torna-se verdade. A técnica de massificar o engano e diluir a verdade é uma das estratégias adotadas pelos formadores de opinião para induzir a sociedade ao consumo dos apelos hedonistas e introduzir o coração do homem nas sendas dos seus próprios impulsos cegos e egoístas, em propostas lisonjeiras mas interesseiras, enganadoras e volúveis, que atrás de si deixam o vazio e a frustração1.

A grande mentira contada milhões de vezes no seio da sociedade é que as criaturas tem valor absoluto e trazem felicidade em si mesmas e que o prazer vivido na relação entre as criaturas é suficiente para realizar plenamente o homem! Porém, isso é apenas mais uma miragem vendida nos comerciais, rotulada nas garrafas, estampada nas vitrines e que pouco a pouco vai instigando os desejos e manobrando a moral humana na direção desta terra de ninguém chamada idolatria.
 
Perdida nesta realidade onde se pretende excluir Deus e na qual os principais critérios por que se rege a existência são o poder, o ter ou o prazer2, a sociedade vai naufragando de paixão em paixão e encontra-se tão envolvida que passou a odiar a verdade por amor àquilo que toma como verdadeiro3.
 
Sabemos que a felicidade é a alegria que provém da verdade e, por isso, nenhuma proposta de vida construída sobre a mentira pode realizar o homem. Na busca pela verdade, gerações e gerações fortemente influenciadas pelas promessas de encontrar felicidade no amor estilo “self-service” e “fast-food” olham frustradas para suas vidas e se interrogam: o que deu errado na mminha busca pela felicidade? Será que é verdadeiro este amor que me apresentaram? Se é verdadeiro, porque permanece o vazio, a depressão, a desilusão, os vícios, as feridas, a escravidão, as insatisfações, a falta de sentido e a tristeza? Porque parece que algo está errado? Porque não consigo me satisfazer com coisas e pessoas? Será que o amor é uma mentira ou mentiram para mim a respeito do amor?
 
Estas perguntas sempre surgem no coração de homens e mulheres que procuram encontrar a felicidade somente no amor pelas coisas e pessoas. Assim, vivem à espera de uma retribuição do amor que as sacie mas que nenhuma criatura pode dar e que só encontra resposta eficaz no lugar onde o amor foi total, a Cruz de Cristo.
 
Ali, revela-se aos homens a verdade essencial do amor, ou seja, que ele cresce e realiza-se na medida que é dado. Na cruz, Deus assume o lugar do homem e ensina o homem a amar a Deus e ao próprio homem.
 
Mas o que a cruz tem a ver com a castidade? Muito simples. A castidade supoe o amor ordenado, educado, integral, vivido segundo os planos de Deus, então, a única e verdadeira escola capaz de educar o amor do homem para a castidade é a Cruz, ou seja, a oferta total de si mesmo a Deus em favor dos outros.
 
Se o homem geme e anseia por realizar-se no amar, somente na vivência da castidade ele pode lançar-se todo no amor de Deus sem reservas, cálculos, posses, reservas, misturas, rasuras e ponderações. É o casto amor que, vivido segundo os planos de Deus, sempre encontra resposta proporcional à sua busca e protege o amor do homem de possuir ou entregar-se ao que não lhe sacia plenamente.
 
Por isso, a castidade é bandeira a ser erguida diante de um mundo que aprisiona o amor nas grades do prazer, tratando-o como mercadoria barata que se pode comprar e vender, desvinculando-o daquilo que o faz verdadeiramente amor, ou seja, ser entrega total. A castidade é tudo amar sem nada possuir, eliminando o risco de trair o amor no que ele tem de mais belo: ser um sinal eterno de pertença filial a Deus.  
 
Portanto, a castidade ultrapassa os atos e revela a liberdade interior daqueles que são incapazes de permitir que haja qualquer elemento de divisão entre o seu coração e o coração de Deus. A castidade, portanto, é um antídoto eficaz que anula o efeito do veneno da idolatria, colocando o homem frente a frente com o verdadeiro sentido amor, ou seja, a cruz.
 
Ser casto é amar tanto a Deus que, sabendo que num determinado ambiente vou ofendê-lo, vou amar mais aos outros do que a Ele, dou meia volta e vou pra casa! Ser casto é não criar substitutos para Deus. É fazer como São Francisco que se jogava numa roseira para não pecar, é fazer como São Thomas de Aquino que pegou um lenha em brasa na lareira para espantar a mulher tentava seduzí-lo, ou como Santa Teresinha que aos três anos de idade rezava um mistério do terço quando sentia vontade de pecar. 
 
Quando nos expomos deliberadamente a situações de pecado, quando dialogamos com ele, pesamos os prós e contras e temos justificativas para cometê-lo e soluções para suas consequências, estamos nos dividindo! Estamos abrindo para o pecado um espaço que deve ser ocupado por Deus. Estamos renunciando a cruz e abrindo mão da castidade.
 
Portanto, a castidade é uma batalha para manter-se no caminho do amor integral, na via que faz os verdadeiros homens, no Calvário, lugar de colher os alegres frutos da cruz, que não dependem de estações, são eternos, jamais apodrecem e sempre saciam os que deles se deliciam.
 
 —————————————————————————————————-
1. Discurso de Bento XVI na Festa de acolhimento dos jovens, Praça de Cibeles, MadridQuinta-feira, 18 de Agosto de 2011
3.  Santo Agostinho, Confissões, Livro X, Cap. XXIII

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *