papa

Discórdias são obstáculo à evangelização: Comunidades fraternas e reconciliadas

0 31

Nesta segunda-feira de manhã o Papa Francisco recebeu: – o card. Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos; – os três bispos da Conferência Episcopal da Guiné-Conakri, liderados pelo arcebispo D. Vincent Coulibaly; – os participantes na plenária do Conselho Pontifício para a pastoral no campo da Saúde.

Nas palavras dirigidas aos Bispos da Guiné-Conakri, vindos a Roma para a visita “ad limina Apostolorum”, o Papa sublinhou a necessidade de pôr de lado discórdias e contraposições, que prejudicam o testemunho cristão. “Para que o Evangelho toque e converta os corações em profundidade, precisamos de nos recordar que é somente unidos no amor que podemos testemunhar a verdade do Evangelho”. “As discórdias entre cristãos são o maior obstáculo à evangelização”.

“Num mundo ferido por tantos conflitos étnicos, políticos e religiosos, as nossas comunidades devem ser autenticamente fraternas e reconciliadas”. “Não nos deixemos roubar o ideal do amor fraterno” – insistiu o Papa, citando a sua Exortação Apostólica “Evangelii gaudium”.

O Santo Padre recordou também a necessidade de viver uma existência coerente com o Evangelho que anunciamos, para que o anúncio da Boa Nova possa dar fruto. Neste contexto, referiu expressamente os leigos empenhados na pastoral, em especial os catequistas, que (disse) desempenham um trabalho insubstituível de evangelização e de animação das comunidades.

Relativamente ao empenho na sociedade, também como expresso do justo apego ao seu país, o Papa sugeriu aos bispos da Guiné-Conakri que encorajem os leigos, sobretudo os mais jovens, a serem “sempre e por toda a parte artífices de paz e de reconciliação, para lutar contra a extrema pobreza com que se confronta a Guiné”.

Nesta perspectiva, e embora reconhecendo as dificuldades concretas existentes no terreno, o Santo Padre encorajou as “relações com os compatriotas muçulmanos, aprendendo uns dos outros a aceitar diferentes maneiras de ser, de pensar e de se exprimir”.

Não faltou uma palavra final de apreço e agradecimento “aos religiosos e religiosas que… fornecem ao povo guineense a oferta insubstituível da sua oração”, “vivendo muitas vezes em situação de grande pobreza”. O Papa recomendou aos Bispos da Guiné-Conakri que os apoiem e acompanhem, assim como aos padres, sobrecarregados pelas tarefas pastorais em razão do seu número reduzido.

Fonte: News.va

Tagged with:

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *