1_0_822620

“É triste descobrir que os cristãos já não são o sal da terra”

0 38

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

No itinerário dominical com o Evangelho de Mateus, hoje chegamos ao ponto crucial em que Jesus, depois de ter verificado que Pedro e os outros onze tinham acreditado nele como Messias e Filho de Deus , “começou a explicar [lhes] que tinha que ir à Jerusalém e sofrer muito…, ser morto e ressuscitar ao terceiro dia” (16, 21).

É um momento crítico no qual emerge o contraste entre o modo de pensar de Jesus e aquele dos discípulos. Pedro até mesmo se sente no dever de reprovar o Mestre, porque não pode atribuir ao Messias um fim tão vergonhoso. Então Jesus, por sua vez, repreende severamente Pedro, coloca-o de volta “na linha”, porque não pensa “como Deus, mas como os homens” (v 23) e sem perceber faz a tarefa de Satanás, o tentador.

Sobre este ponto insiste, na liturgia deste domingo, também o apóstolo Paulo, que, escrevendo aos cristãos de Roma, lhes diz: “Não vos conformeis com este mundo – não entreis nos padrões deste mundo -, mas deixai-vos transformar renovando o vosso  modo de pensar, para poder discernir a vontade de Deus” (Rm 12,2).

Na verdade, nós cristãos vivemos no mundo, totalmente inseridos na realidade social e cultural do nosso tempo, e com razão; mas isso traz o risco de que nos tornemos “mundanos”, o risco de que “o sal perca o sabor”, como diria Jesus (cf. Mt 5,13), ou seja, que o cristão se torne aguado, perca a novidade que lhe vem do Senhor e do Espírito Santo. Em vez disso, deveria ser o contrário: quando nos cristãos permanece via a força do Evangelho, essa pode transformar “os critérios de juízo, os valores determinantes, os pontos de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida” (Paulo VI, Exortação Apostólica Evangelii nuntiandi, 19).

É triste encontrar cristãos “aguados”, que parecem vinho diluído, e não se sabe se são cristãos ou mundanos, como o vinho diluído que não se sabe se é vinho ou água! É triste isso. É triste encontrar cristãos que não são mais o sal da terra, e sabemos que quando o sal perde o seu sabor, não serve mais para nada. O seu sal perdeu o sabor porque se entregou ao espírito do mundo, ou seja, se tornou mundano.

Portanto, é necessário renovar-se continuamente com a seiva do Evangelho. E como é possível pode fazer isso na prática? Antes de mais nada, lendo e meditando o Evangelho a cada dia, para que a palavra de Jesus esteja sempre presente na nossa vida. Lembrem-se: sempre será de ajuda levar o Evangelho com vocês: um pequeno Evangelho, no bolso, na bolsa, e ler uma passagem durante o dia. Mas sempre com o Evangelho, porque é levar a Palavra de Jesus, e poder lê-la. Também participando da Missa dominical, onde encontramos o Senhor na comunidade, escutamos a sua palavra e recebemos a Eucaristia que nos une a Ele e entre nós; e depois são muito importantes para a renovação espiritual as jornadas de retiro e de exercícios espirituais.

Evangelho, Eucaristia e oração. Não se esqueça: Evangelho, Eucaristia, oração. Graças a esses dons do Senhor podemos conformar-nos não ao mundo, mas a Cristo, e seguir o seu caminho, o caminho do “perder a própria vida” para reencontrá-la (v 25). “Perdê-la”, no sentido de doá-la, oferecê-la por amor, e no amor – e isso envolve o sacrifício, até mesmo a cruz – para recebê-la novamente purificada, livre do egoísmo e da hipoteca da morte, cheia de eternidade.

A Virgem Maria nos precede sempre nesta jornada; deixemo-nos guiar e acompanhar por ela.

[Depois da oração do Angelus]

Queridos irmãos e irmãs,

Amanhã se celebra na Itália a Jornada pela custódia da criação, promovida pela Conferência Episcopal. O tema deste ano é muito importante: “Educar para cuidar da criação, para a saúde dos nossos países e das nossas cidades”. Espero que se reforce o compromisso de todos, instituições, associações e cidadãos, para que seja salvaguardada a vida e a saúde das pessoas e também respeitando o meio ambiente e a natureza.

Saúdo todos os peregrinos da Itália e de outros países, especialmente os peregrinos de Santiago do Chile, Pistoia, San Giovanni Bianco e Albano Santo Alexander (Bergamo); os jovens de Modena, Bassano del Grappa e Ravenna; o grande grupo de motociclistas da Polícia e da banda da Polícia. Seria bom, finalmente, ouvi-la tocar…

Uma saudação especial vai para os parlamentares católicos, reunidos para o quinto encontro internacional, e incentivo-os a viver o delicado papel de representantes do povo de acordo com os valores evangélicos.

Ontem, recebi uma grande família de Mirabella Imbaccari, que me trouxe saudações de todo o país. Agradeço a todos pelo amor deste país. Saúdo os participantes da “Scholas”: continuem em seu compromisso com as crianças e os jovens, trabalhando na educação, no esporte e na cultura; e desejo-vos um bom jogo amanhã, no Estádio Olímpico!

Posso ver daqui os jovens que pertencem ao sindicato dos plásticos. Seja fieis ao vosso lema: é muito perigoso andar sozinho nos campos e na vida. Sempre andem juntos.

Desejo-vos um bom domingo, peço-vos que orem por mim, e bom almoço. Nos vemos!

Fonte: Zenit

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *