Futuro da Igreja no Zimbabwe e em toda a África depende muito da formação dos fiéis – Papa Francisco aos Bispos da Conferência episcopal do Zimbabwe

0 552

O Papa Francisco recebeu ao fim da manhã desta segunda-feira os bispos da Conferência episcopal do Zimbabwe, em visita ad Limina apostolorum por estes dias. Na sua mensagem o Papa começa por agradecer as palavras de saudação do Bispo D. Bhasera em nome dos Bispos e dos Católicos do Zimbabwe, desejando ao mesmo tempo que os dias de oração e solidariedade com o Sucessor de Pedro sejam um tempo fecundo de renovação espiritual.
O Santo Padre em seguida dá graças ao Senhor por aquilo que a Igreja no Zimbabwe tem feito no tempo e ainda continua a fazer, e em particular, pequenos centros missionários transformaram-se em paróquias e dioceses, a Igreja tornou-se indígena – uma árvore jovem e forte no jardim do Senhor, cheia de vida e dando ricos frutos – gerações de zimbabweanos, incluindo muitos líderes políticos, foram formados em escolas da Igreja, hospitais católicos têm tido o cuidado dos enfermos por muitas décadas, oferecendo a cura física e psicológica, muitas vocações ao sacerdócio e à vida religiosa vieram desta terra e ainda continuam a vir.
A Igreja no Zimbabwe – continuou o Papa – esteve sempre ao lado do povo, tanto antes como depois da independência, agora e também nos anos de grande sofrimento quando milhões deixaram o país em frustração e desespero, muitas vidas foram perdidas, e tantas lágrimas derramadas. No exercício do seu ministério profético, os Bispos souberam dar voz dramática a todo o povo em luta no País, especialmente os oprimidos e refugiados, como se lê na Carta pastoral de 2007 “Deus escuta o grito dos oprimidos”.
Como os cristãos se encontram em todos os lados do conflito no Zimbábue, o Papa Francisco instou os Bispos a guiarem a todos com grande ternura rumo à unidade e reconciliação: trata-se de um povo de pretos e brancos, alguns mais ricos, mas a maioria extremamente pobre, povo de numerosas tribos; os seguidores de Cristo pertencem a todos os partidos políticos, alguns em posições de autoridade, muitos outros não. Mas todos em conjunto, como único Povo de Deus peregrino, precisam de conversão e reconciliação, de modo a tornar-se cada vez mais plenamente “um só corpo e um só espírito em Cristo” – sublinha o Papa Francisco.
O Santo Padre recomendou em seguida aos Bispos a proclamarem sem medo o evangelho da esperança, trazendo a mensagem do Senhor ao nosso tempo marcado pela dor, pregando incansavelmente perdão e a misericórdia de Deus, continuando a encorajar os fiéis a renovarem o seu encontro pessoal com o Senhor ressuscitado, e a voltarem aos sacramentos, especialmente os da reconciliação e da Eucaristia, fonte e ápice da vida cristã. E o Papa insistiu ainda que o futuro da Igreja no Zimbabwe e em toda a África depende muito da formação dos fiéis, daí a importância de, para além de sacerdotes santos, zelosos catequistas, bem formados que possam trabalhar com o clero e os leigos, de modo que o que a Igreja acredita se possa reflectir na forma como o seu povo vive na sociedade.
E o Papa termina assegurando a sua oração para que os Bispos regressem a casa fortalecidos na comunhão fraterna, e para que deste encontro com o Sucessor de Pedro, possam sair mais determinados a dar tudo ao serviço da Palavra, de modo que os católicos no Zimbabwe possam tornar-se cada vez mais o sal da terra Africana e a luz do mundo.

Fonte: News.va

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *