Papa rejeita celibato «opcional» para os padres mas admite valorizar papel dos homens casados

0 19

Francisco diz que Igreja tem de debater crise de vocações sacerdotais no Ocidente

Lisboa, 09 mar 2017 (Ecclesia) – O Papa afirmou numa entrevista ao semanário alemão ‘Die Zeit’ que o celibato “opcional” para os padres católicos “não é uma solução” para a crise de vocações, mas admitiu valorizar o papel dos homens casados, neste campo.

Francisco referia-se em particular à proposta de ordenar os chamados ‘viri probati’ (“homens testados” – expressão que designa homens de confiança casados, de comprovada fé e virtude).

“Teríamos de considerar que tarefas poderiam desempenhar, por exemplo nas comunidades isoladas”, disse, numa entrevista divulgada hoje.

Atualmente, a Igreja Católica de rito latino admite homens casados ao primeiro grau do sacramento da Ordem (diaconado, sacerdócio, episcopado).

O Concílio Vaticano II (1962-1965) restaurou o diaconado permanente, a que podem aceder homens casados (depois de terem completado 35 anos de idade), o que não acontece com o sacerdócio.

O diaconado exercido por candidatos ao sacerdócio só é concedido a homens solteiros.

O Papa admitiu que a quebra do número de candidatos ao sacerdócio é um “enorme problema” para a Igreja Católica e defendeu que é necessário “trabalhar com os jovens que procuram orientação”, tema que vai estar no centro do próximo Sínodo dos Bispos, em 2018.

“Muitas paróquias estão nas mãos de mulheres dedicadas que nos domingos conduzem as orações. É um problema a falta de vocações. É um problema que a Igreja deve resolver”, assinalou.

O pontífice referiu que onde não há sacerdotes falta a Eucaristia e “uma Igreja sem Eucaristia não tem força”.

Francisco observou ainda que, nos países ocidentais, o problema é agravado pela baixa taxa de natalidade, porque “se não há crianças, não haverá sacerdotes”.

O Papa lamenta ainda que alguns jovens não sejam sacerdotes “por vocação”, o que tem trazido problemas à Igreja.

A entrevista abordou depois a comissão de estudo sobre a história do diaconado feminino, explicando que a decisão surge como resposta à questão sobre se essas mulheres foram “ordenadas ou não”.

“Trata-se de explorar o tema, não de abrir uma porta. O tempo dirá o que a comissão vai apurar”, precisou.

O celibato é obrigatório para os sacerdotes na Igreja Católica de rito latino; em várias Igrejas orientais em comunhão com Roma podem ser ordenados homens casados, mas não é consentido casar depois da ordenação.

No Sínodo dos Bispos de 2005 considerou-se que a ordenação sacerdotal dos ‘viri probati’ não seria uma solução, dando como exemplo a situação que se vive nas Igrejas Orientais ligadas a Roma “que têm padres casados, mas que sofrem, apesar disso, de crise de vocações”.

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *