Sem armadilhas, diz Dom Damasceno sobre debate presidencial

Sem armadilhas, diz Dom Damasceno sobre debate presidencial

0 32

Debate promovido pela CNBB não terá armadilhas aos candidatos, afirmou o presidente da instituição, Cardeal Raymundo Damasceno

O presidente da CNBB, Cardeal Raymundo Damasceno de Assis, afirmou em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 15, que o objetivo do debate promovido pela Igreja do Brasil não é criar armadilha aos candidatos, mas ser um espaço para conscientizar o eleitor sobre a importância do voto.

“É uma iniciativa da CNBB para ajudar nosso eleitor no discernimento na hora do seu voto; para ouvir os projetos dos candidatos para o Brasil enquanto nação e para responder perguntas de interesse não só da Igreja, mas também nacional. Assim o eleitor poderá conhecer melhor os candidatos”.

O cardeal também recordou que a Igreja não tem partido político, nem candidato preferencial, mas ao contrário, não impõe votos e não quer se tornar “curral eleitoral”.

“A Igreja apenas facilita para o eleitor a tomada de decisão; não quer impor a ninguém um partido ou candidato, mas ajudar o eleitor para que o escolha livremente. A Igreja dá somente elementos e critérios para que o eleitor o faça”, disse.

Roteiro do debate

Os oito candidatos com representação no Congresso Nacional – Aécio Neves, Dilma Rousseff, Eduardo Jorge, Eymael, Levy Fidelix, Luciana Genro, Marina Silva e Pastor Everaldo -, participarão do debate promovido pela CNBB, nesta terça-feira, 16, às 21h30, com transmissão ao vivo pela TV Canção Nova, além de outros meios de comunicação de inspiração católica.

No primeiro bloco, os candidatos responderão a uma pergunta geral, feita pela CNBB, e terão dois minutos para resposta. O segundo bloco será dedicado às perguntas que oito bispos farão, respectivamente, aos candidatos.

“Serão oito perguntas feitas pelos bispos de várias partes do país, que trarão as realidades de suas comissões episcopais”, explicou o diretor-geral da TV Aparecida, padre Josafá Morais. Os candidatos responderão as perguntas mediante sorteio realizado ao vivo.

Já no terceiro bloco, jornalistas das mídias católicas serão responsáveis por questionar os presidenciáveis. O confronto entre os candidatos ficou reservado para o quarto bloco, sendo o quinto, para as considerações finais.

O mediador do debate, o jornalista Rodolpho Gamberini, também afirmou que não haverá possibilidade de armadilhas entre os candidatos. Segundo ele, as perguntas serão previamente preparadas, mas somente com sorteio ao vivo se saberá a quem serão dirigidas. “Não é possível fazer armadilha porque não se sabe quem responderá”, adiantou.

Assuntos de interesse da Igreja

Além dos assuntos sociais e econômicos, a Igreja do Brasil tem interesse em ouvir os candidatos acerca de temas que dizem respeito à moral católica, como a família e a defesa da vida.

“A família é importante para nós. A questão da vida é importante para nós. Então, qual é a posição do candidato com relação a esses temas? A vida é importante para ele, desde seu começo até seu término natural, ou não? Aí entra toda uma questão complexa da segurança, da defesa da vida, da promoção da vida, da defesa da dignidade humana, dos direitos humanos. São questões, às vezes, não tão enfatizadas, embora mencionadas nos debates anteriores, mas de maneira muito rápida”, explicou cardeal Damasceno.

Este é o terceiro debate de iniciativa católica. O primeiro aconteceu em proporções menores em 1989, o segundo – em São Paulo, com maior repercussão midiática –, em 2010. O diferencial deste terceiro é a sua realização nas dependências do Santuário Nacional de Aparecida, no interior de São Paulo.

Fonte: Notícias Canção Nova

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *