reflexo

Ser Reflexo do Amor de Deus

0 159

Somos chamados a ser reflexo do Amor de Deus. Mas como ser reflexo/ expressar esse Amor?

Jesus dizia que São João Batista era uma tocha que ardia e brilhava. Vemos aqui que primeiro ardia por dentro; e depois brilhava porque a luz da sua alma irradiava na sua conduta e nas suas palavras.

E assim podemos iniciar essa formação. Não tem como sermos reflexo, se antes não deixarmos o amor de Deus arder e inflamar o nosso coração.

Muitas vezes, frequentamos a Igreja, dizemos que seguimos e amamos a Cristo, mas carregamos dentro de nós uma não aceitação de nós mesmo, uma dificuldade em aceitar e perdoar o outro. Até sabemos que Deus nos ama, mas não conseguimos mergulhar nessa verdade. E isso nos faz virar cristãos superficiais, vazios, longes de ser reflexo do Nosso Criador.

Meus irmãos, fomos criados no seio da Trindade, ou seja, no seio do Amor Trino. Fomos criados Pelo Amor, Com Amor e No amor. E fomos feitos a imagem e semelhança de Deus. Essa verdade deve sempre arder nos nossos corações, nos devolvendo e resgatando a nossa identidade de filhos amados por Deus, que por vezes perdemos com os questionamentos do mundo.

Deus nos criou para Ele e para sermos Dele. Quando nos deparamos com esse amor, entendemos a maior de todas as missões que nos foi dada: ser sinal visível de Deus no mundo, ou seja, ser expressão do Seu Amor onde reina o desamor.

Sejamos então irmãos, reflexos desse Amor de Deus. Levemos ao mundo a alegria de ser filho amado de Deus. Levemos a esperança que brota de ter um Pai Misericordioso, que nos acolhe e nos aceita. Sejamos esse sinal de esperança, sejamos esse sinal visível de Deus para o mundo. É essa, irmãos, a nossa maior missão, e para cumpri-la só precisamos estar perto Dele.

Deus abençoe sua vida poderosamente!

.larissa

.

Larissa Souza

Comunidade Mariana Resgate

Tagged with: , , , , ,

Artigos Similares

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Seu comentário será publicado após aprovação! *Campos obrigatórios. *